Pages

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Involuntário

E eu que esperava que neste dia tudo estivesse bem, não está. Não muito.
Uma data 'especial' se aproximando e tudo assim, tão nublado.
Hoje eu queria que o sol saísse e batesse na minha janela, mas o sol não esta em condições de sair, as nuvens impedem que ele apareça. Esse céu estranhamente nostálgico me lembra coisas que por instantes esqueço mas que são tão importantes...
Eu só queria uma distância mais curta. É meio besta. Humanos são bestas. Ficam se lamentando (principalmente eu), sentados em seus computadores, esquecendo de como é realmente viver. Blindados contra qualquer sentimento, contra qualquer esperança.
A vida não tem rascunho e eu realmente não acredito que o paraíso vem só depois da morte.
Parece mais fácil plantar bananeira e ver o mundo de cabeça pra baixo do que erguer a cabeça e
encarar de frente. É, encarar tudo de uma vez! Sem rodeios, sem viadices! Diga o que tem a dizer, faça o que tem que fazer. Descontrole-se, seja impulsivo ..
Só me mostre que eu não sou a única a acreditar em você.
Já tentei controlar o que já fugiu do controle, demorei a perceber que é pesado demais para mim.
Você me ensinou isso, que não existe resposta pra tudo e que nem tudo merece uma resposta.
Tudo acontece porque suas janelas são verdes, e só.
Queria saber não precisar saber de certas coisas que apagam o sorriso e tornam um dia ensolarado no mais
cinzento dos dias.
Seria tão simples se tudo fosse a minha maneira... mimado demais e daí?
Me diga,agora: sim ou não? Diga, mas não seja tão frio, tão simples.
Só queria saber da parte que me agrada .. e ela vai desde a forma como você fala comigo até o modo como você me faz sorrir. Desde as nossas vontades em comum até chegar aos segredos que você nunca ousaria contar. Desde o modo como você friamente me diz: 'modo drama ligado' ... me tratando as vezes como louca, criança incapaz de pensar, falar ou agir com sobriedade. Simplesmente me ignorando (método mais eficaz).
Eu nem queria saber de tanta coisa assim. Só queria fazer a diferença.
Queria saber sobre a sua boca também ... e se não fosse pedir muito, saber sobre seus olhos. os dois.
Saber o porque você não gosta de sopas, e seus fetiches que devem ser muito pervertidos ;x
Mas as variáveis são tantas que fica impossível saber a verdade. A verdade sobre tudo, a verdade sobre você.
Não me interesso por amores furtivos. Não me interesso por relacionamentos superficiais.
Eu quero o difícil, o impossível, o incompreensível, o tão conhecido que se torna desconhecido;
Tudo pode dar errado, tudo!
O relacionamento em si, pode simplesmente não dar certo .. responsabilidade demais pra
um sentimento tão puro, tão único..
Foda-se! Pra que esperar? As coisas acontecem, as pessoas mudam... e eu não quero que você mude. Não comigo.
Somos tão diferentemente semelhantes; Você prefere a segurança e a previsibilidade do que encarar todas as reais possibilidades, e eu? Bem, eu quero o amanhã hoje, o depois agora.
É como se a presença da sua testosterona equilibrasse meus hormônios femininos, sem eu ter de me preocupar em estar bonita, sensual, produzida. Me fazendo falar, falar e falar sem pensar se estou falando mais do que devo, e quando percebo .. 'ops, escapou' .
Não sei o que pensar .. nem sei no que tudo se transformou... Metamorfose.
Meu amigo (o melhor), meu irmão, meu companheiro, meu amor.
No amor, as nossas escolhas são involuntárias.
Como quando o músculo do olho fica pulando sozinho e a gente não sabe por quê e não dá conta de parar.
E falar tudo, tudo isso, incoerente desse jeito, só me dá a certeza de que o tempo é a solução para todos os problemas, não os reais problemas .. os problemas que nós humanos criamos.

E mesmo depois de tudo que vivemos, talvez amanhã nós possamos simplesmente ter um dia bom...


2 comentários:

Sabrina Araujo disse...

Muito legal seu blog.. Parabéns!

Nivaldo Gomes Filho disse...

adorei o texto gostei mesmo vou seguir seu blog..

Postar um comentário