Pages

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Meu dia??

18/08/2011

Confesso que no momento em que completei meus 17 entendi que os 18 seriam desnecessários.
Sempre levei os 18 como a idade da responsabilidade, da maturidade, de começar a colocar em prática o 'o que quero ser quando crescer'.
,,,
Era coisa de mais pra mim, responsabilidade e complicação de mais pra uma pessoa tão irresponsável e infantil como eu.
Eu fugi dos 18 como o diabo foge da cruz, como o vampiro do alho, o lobisomem da prata e assim por diante.
Sinto o peso dos 18 como o peso de ser adulto, o peso da velhice se aproximando.
O peso de ter que levar tudo mais a sério, o peso de ter que, enfim, tirar os planos do papel e de ter que colocá-los em prática.

Eu sei, não é assim. TODOS os que fizeram já me contaram; você continua obedecendo e dando satisfações pros seus pais, continua indo pra aula, pedindo dinheiro, na merda ... eu sei, eu sei.

É que realmente não consigo aceitar que seja assim. Seria como acabar com todas as minhas teorias e com todos os planos que eu fiz quando criança.. como contar pra ela que papai noel não existe, talvez.

Eu não queria os 18, não queria mesmo. A propósito, continuo não querendo.
Não quero ter 18, não quero ter que trabalhar, que dirigir, que cuidar sozinha da minha própria vida. Não quero ser presa sem poder recorrer aos meus pais pra me livrar, não quero ter que tomar conta de mim mesma.

18 é a idade do abandono,  a idade que toda criança quer ter, mas que só o que quer com esse intuito é abandonar.
O terrível e inevitável abandono.

Eu sei, essa sou eu dramatizando e exagerando. Assim, só pra variar.

0 comentários:

Postar um comentário