Pages

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Viva la vida

Lendo agora meu último post, pensei imediatamente: Puxa, que loucura.
Loucura que em tão pouco tempo (menos de um mês) tanta coisa mudou dentro de mim.

É muita loucura ter um blog "secreto" aos 23 anos pra conversar consigo mesma? Sei lá, essa lua em peixes tá bem confusa.

Abrindo os trabalhos aqui, os dilemas agora são outros. Completamente diferentes, diga-se de passagem.
Primeiro que encontrei o amor da minha vida. Impaciente, grosso, rabugento. Mas é o amor da minha vida.
Um parceiro pra vida, uma coisa muito louca.
Ele quem me tirou da fossa do geminiano cafajeste. Sem ele, eu estaria exatamente como no último post. Me sentindo triste, feia, depressiva.
Com ele não tem tempo ruim, falta de grana, locomoção, companhias, parcerias, amigos, gatinhos...
com ele conheci uma versão do mundo que não conhecia. Meio sombrio, real demais. Carnal demais. Viciante, glamouroso.
Um mundo em que a Gabriela é bonita, simpática, atraente, carismática. As mulheres olham, os homens cobiçam.
Falta muito ainda pra ser como eu gostaria, meu joelho não tá bom ainda. Mas nunca me senti tão bonita e atraente como aos 23 anos, 2017.
A propósito, tô com uma mania bem feia de mentir minha idade, digo que tenho 22. Não sei bem a coerência de mentir um ano a menos, mas minto. Me sinto mais jovem aos 22.

Depois das semanas depressivas, depois de tantas festas, pessoas, pensamentos... me tornei uma Gabriela diferente. Mais impaciente, confesso.
Porém muito mais confiante. Sinto a perseverança fluindo em mim agora. Sinto a realidade do fato de nascermos e morremos sozinhos. De termos de ser sozinhos. De conseguir tudo por nós mesmos. Através dos nosso sacrifícios e disposições.
Com ele aprendi que mulher é outro nível. Que se quiser mesmo mesmo, alcança o topo, domina o mundo.
Só tenho a agradecer a Deus por tê-lo colocado em minha vida. Por ter me dado a oportunidade de comprar aquele ingresso pra Life, pro Paranormal Atack e skazii, que foi inesquecível.

Agora meu dilema eh grana. Money. Que amor que nada. Money. Money que é good nós não have.
Minha geladeira nunca esteve tão vazia, as dívidas do meu pai se multiplicam a cada dia que passa. Uso roupas emprestadas pra sair, só tenho um par de sandálias bonitas. Fumo sem ter dinheiro pra bancar meu próprio cigarro, e na night tenho no máximo 20 reais pra gastar. (15 reais e um maço de cigarros como falo normalmente pra zoar minha decadente situação).

Reveillon foi magnífico, até o fato de ter que ir "de gatinha" me salvou de uma bad daqueeelass!
Tenho detonado um pouco meu organismo: mtas festas, bebidas, cigarros, afinss, adereços....
Mas tenho aproveitado absurdamente minhas férias, minha juventude, minha solteirice.

Ando com alguns pretendentes, ando conhecendo pessoas de todos os tipos e lugares... ando curtindo, dançado, emagrecendo.
Ando bem, me sentindo bem comigo mesma.

Me afastei da minha família, é verdade.
É que ando sem paciência, sabe. Pra esses problemas tão bizarros que eles possuem. Problemas causados por eles mesmos. Problemas que só eles mesmos podem resolver, porém ficam dando voltas... se amarrando... fazendo-me sentir pena.
Odeio sentir pena. Sentir que só Deus mesmo pra ajudá-los. E eu não sou Deus. Eu sou a Gabriela. que ajuda como pode, mas que tem sua vida, seus sonhos, seus planos, suas vontades, ambições, ideias...
Não sou obrigada. Não sou mesmo.
Não sou empregada, nem babá, nem operacional de empresa, nem nada.
Sou estudante.
Apenas isso, estudante.

Estou de férias (inicialmente involuntariamente), e em março minha vida volta ao planejado. Ao almejado.
A vida é mais.
O mundo é enorme.
Nada tem replay.
Nada se leva.

Aproveite o momento, curta, agradeça, comemore.

Queria falar mais, muito mais. Me agradecer, me orientar, me impulsionar.
Mas tô morrendo de sono, e amanhã tenho muitos afazeres.


Vim só pra esclarecer que Gustavo já era. Sinto sdd as vezes, mas mt as vezes. E nada mt incontrolável.
Pra contar que tô feliz apesar do Ariano não valer absolutamente nada. Que meu taco é mesmo forte, e que não há nada que eu não possa ser/fazer.

A vida é linda, é bela. Viva la vida.

PS: Tô de boas pq meu pai fez sacolão e tô com várias batatas, maçãs, bananas e mamão. Caso contrário estaria arrasada. Rango aqui tá foda.